Manuel (Pavia 1976)
Manuel, nasceu em Pavia, Portugal, em 1976.

Funcionário do Parlamento Europeu trabalha nas relações interinstitucionais da DG da Presidência no Secretariado–geral.

“Sou funcionário do Parlamento Europeu em Bruxelas desde 2008. Especifico que trabalho em Bruxelas, porque o Parlamento tem três locais de trabalho: Bruxelas, Luxemburgo e Estrasburgo. 

Comecei num departamento chamado Direção dos Atos Legislativos, como "jurista-linguista", uma atividade que só existe provavelmente na União Europeia, e que consiste na revisão jurídica e linguística da legislação na nossa própria língua. Na UE a legislação não é aprovada numa língua em particular e de seguida "traduzida" para todas as outras. Pelo contrário: as instituições europeias legislam nas 23 línguas oficiais ao mesmo tempo. Parece impossível, mas funciona, embora requeira a existência de funções muito particulares, como a de "jurista-linguista".

Atualmente trabalho numa Unidade de Relações Interinstitucionais, integrada na Direção-Geral da Presidência, que se ocupa do plenário do Parlamento. No Parlamento é frequente, e até encorajado, mudar de vez em quando de departamento. Esta política de mobilidade permite ter uma carreira diversificada e interessante. Na minha atual unidade ocupo-me das relações do Parlamento com as outras instituições, sobretudo o Conselho e a Comissão. O meu dia de trabalho varia bastante consoante a semana em que me encontro: antes, durante ou depois da sessão plenária. Seja como for, todos os dias acompanho o que se passa na Comissão e no Conselho, e uma vez por semana escrevo uma nota que é difundida a toda a instituição. Contudo, à medida que nos aproximamos da sessão plenária, há um crescendo de reuniões para decidir a ordem do dia da sessão e outros assuntos conexos. Há reuniões internas, entre os serviços do secretariado-geral do Parlamento, reuniões entre os grupos políticos, e reuniões do Grupo de Coordenação Interinstitucional, no qual estão representadas todas as instituições, e que eu estou encarregue de preparar. A sessão plenária propriamente dita tem lugar uma vez por mês, normalmente em Estrasburgo. Entre segunda e quinta-feira da semana da sessão plenária estou portanto nessa cidade.

O Parlamento Europeu é uma instituição especialmente interessante, por várias razões. Tem um caráter ao mesmo tempo burocrático e político, com uma administração "clássica", constituída pelo secretariado-geral (onde eu trabalho), e a administração constituída pelos funcionários dos grupos políticos que assistem os deputados. É também uma instituição que tem sofrido importantes modificações ao longo do tempo, a mais recente das quais com o Tratado de Lisboa, que lhe atribuiu importantes competências legislativas. Como em todas as instituições europeias, vive-se um ambiente multicultural e multilingue.

Já tinha trabalhado na Comissão Europeia há alguns anos, pouco depois de ter terminado o curso de direito. Depois fiz concurso para a carreira diplomática e para as instituições europeias, e trabalhei três anos como diplomata até ser chamado para o Parlamento Europeu. Não foi uma decisão fácil deixar o MNE, mas decidi vir para o Parlamento porque gosto do trabalho nas instituições europeias e, confesso, porque acredito no ideal da integração europeia. Até agora não me arrependi.”

2012-01-31